Em novembro de 2016 fui sozinha para o Uruguay, fiquei dez dias passeando por lá e visitei seis cidades, as quais estão pormenorizadas em posts específicos sobre cada uma delas: Colonia del Sacramento, Montevideo, Piriápolis, Punta del Este (com visita à Casapueblo), Cabo Polonio e Punta del Diablo (com visita ao Parque Nacional e Fortaleza de Santa Teresa). Há também um post com detalhes do meu roteiro (inclusive gastos) e outro com algumas informações úteis para o viajante que quer conhecer o país.

Esse post diz respeito ao meu quarto destino no Uruguay: Punta del Este. Após passar um dia em Piriápolis, segui rumo a Punta del Este com a carona oferecida pela Eugenia, funcionária do hostel em que fiquei hospedada em Piriápolis, pois ela ia para Punta naquele dia e então me ofereceu carona. Eu cheguei à cidade por volta das 14h do dia 15/11/2016 e fui embora no dia seguinte por volta de 10h da manhã. Minha locomoção em Punta del Este foi feita a pé, pois fiquei hospedada em um hostel com excelente localização, e também com a van do passeio turístico que contratei. Com relação à alimentação, a única refeição que fiz por lá foi o jantar e gastei 445 pesos uruguaios (55 reais) para comer UMA fatia grande de pizza e tomar um suco de laranja (!).

Ao chegar em Punta del Este, fui em direção ao centro de informações turísticas a fim de pedir dicas de passeios e hospedagem, uma vez que decidi não reservar antecipadamente, pois fui fora de temporada e sabia que seria fácil encontrar vaga, mas se você vai em datas movimentadas ou época de alta temporada aconselho a reservar antes. Uma das opções de hostel que obtive no centro de informações turísticas foi o “Planet Hostel”, o qual era o mais próximo de onde eu estava (apenas alguns passos), então fui até o local para conferir a hospedagem e resolvi passar a minha curta estadia por lá. Fiquei hospedada em um quarto compartilhado para oito pessoas com banheiro privativo e café da manhã incluso no valor da diária (350 pesos uruguaios = 44 reais), porém só estávamos em três mulheres no quarto devido à baixa temporada. O hostel é bem localizado (perto da rodoviária, das praias, restaurantes, supermercado, lojas), limpo, seguro, tranquilo, conta com funcionários prestativos, porém o Wi-Fi não funciona nos quartos, apenas nas áreas em comum. O quarto possui banheiro, quatro beliches e lockers, porém as camas são barulhentas e rangem mesmo ao mais simples movimento (pelo menos no quarto em que fiquei, o qual recebe o nome de ‘Venus’).

Após resolver a questão da hospedagem comentei com a recepcionista do hostel que eu queria ir até a Casapueblo (em Punta Ballena) para assistir ao pôr do sol e ela me indicou um guia que fazia o city tour por Punta del Este e finalizava o dia na Casapueblo. Então ela ligou para ele, perguntou o valor (750 pesos uruguaios = 94 reais) e se tinha vaga para aquela tarde, e lá fui eu em uma van com um casal de brasileiros e mais uma família americana fazer o passeio, o qual foi muito bacana e descontraído. O guia/motorista dava as informações e explicações em português e depois em inglês (ambos os idiomas em uma pronúncia perfeita), respondia a todas as perguntas de forma clara e interagia com a gente de forma positiva, porém esqueci de pegar o contato dele para indicar aqui (sorry!). 

O city tour incluiu: 1- passeio pela cidade de Maldonado (apenas dentro da van), 2- passeio por bairros luxuosos (apenas dentro da van), 3- visita ao porto de Punta del Este (pudemos ver leões marinhos e diversas gaivotas, além de inúmeros barcos ancorados), 4- parada para contemplar o farol (não é possível subir) e conhecer a igrejinha que está localizada em frente à ele (Igreja Nossa Senhora da Candelária), 5- visita à Plazoleta Grã-Bretanha e às suas famosas sereias, porém a maioria das esculturas já foi destruída (este é o local onde o Rio de La Prata se encontra com o mar), 6- parada no Monumento Los Dedos na Playa Brava (mas tinha muita gente, então voltei no outro dia pela manhã para tirar fotos, uma vez que tal ponto turístico fica muito próximo ao hostel), 7- cruzamos a Ponte Ondulada Leonel Vieira (com parada para tirar fotos) e fomos conhecer a região de La Barra (apenas dentro da van). 

Finalizamos o passeio de city tour com a visita à Casapueblo, em Punta Ballena, a qual foi projetada pelo artista uruguaio Carlos Páez Vilaró e reúne hotel, museu, galeria de arte e restaurante. O turista que for até o local para visitar deverá pagar a taxa de entrada (240 pesos uruguaios = 30 reais), poderá conhecer as dependências da Casapueblo (exceto o hotel) e assistir ao pôr do sol enquanto ouve a gravação de um poema recitado pelo próprio Vilaró.

No outro dia pela manhã passeei pela Rambla General José Artigas e pelas praias Mansa e Brava. A Playa Mansa é banhada pelo Rio de la Plata, ou seja, não possui ondas, já a Playa Brava é banhada pelo Oceano Atlântico e suas águas são mais agitadas. O famoso Monumento Los Dedos está localizado na Playa Brava, ponto turístico este que todos querem fotografar sem ninguém ao fundo, feito dificílimo, mas que consegui realizar, pois costumo acordar cedo em viagens e a vida em Punta del Este começa depois das 10h da manhã, então às 7h30mim só estávamos eu e os garis na rua (sem exageros) e pude tirar quantas fotos eu quis em todos os ângulos possíveis, portanto, se pretende ter a foto no Monumento sem ninguém de penetra, acorde cedo (LOL)!

Obrigada e aguardo a sua próxima visita!